Por que insistir na importância da Psicologia quando o assunto é Reprodução Humana Assistida?


A psicóloga Michella Morcelli, especialista em Avaliação Psicológica, fala sobre as relações entre a psicologia e a reprodução humana assistida, além da importância da união dessas duas áreas para o tratamento de casais inférteis.

 
Qual a importância do acompanhamento psicológico para o paciente que busca tratamento para a infertilidade?
Cerca de 20% dos casais no mundo têm algum tipo de dificuldade para engravidar, isso implica num profundo sofrimento emocional que atinge a vida social e conjugal de ambos, independente de quem tem o diagnóstico de infertilidade.
O desejo de ter filhos está intimamente ligado à história subjetiva e familiar de cada um, podendo trazer inquietações sobre o sentido da vida, tais como a frustração por não ter oportunidade de fazer diferente dos seus pais na criação da sua própria prole.
A montanha russa emocional, marcada por ciclos de esperança e desesperança, provoca um desgaste emocional significativo, assim como nas relações sociais onde a cobrança existe mesmo que por vezes velada.
Diante de tudo isso, o acompanhamento psicológico/psicanalítico é de fundamental importância, pois configura um espaço de escuta acolhedora e imparcial, onde as angustias e temores podem encontrar elaboração, além da segurança para enfrentar os tratamentos e seus possíveis resultados.
 
Que fatores psicológicos podem afetar a fertilidade? 
Acredito numa visão de sujeito mais ampla, onde a psique e o corpo andam ligados,  nesse sentido, a infertilidade expressa esta íntima relação entre o inconsciente e o corpo.
Hoje sabemos que os aspectos psicológicos já exaustivamente pesquisados, que produzem impacto sobre a fertilidade são a depressão e a ansiedade.
Contudo, não nos basta detectar estes quadros e tomá-los de forma isolada do contexto, o bem-estar emocional é sempre positivo sobre a fertilidade. E bem-estar não significa ausência de tristezas, expectativas e temores, mas a capacidade de elaborá-los.
A escuta do casal infértil não busca determinar se os aspectos emocionais estão causando a infertilidade ou determinando o resultado dos tratamentos.
Esta postura pode acarretar ainda mais sofrimento, pois é como se sentissem  ainda mais culpados pela ausência da tão desejada gravidez. 
O que se busca é trabalhar a integração dos aspectos físicos e psíquicos, levando  em conta a história de cada sujeito, sua personalidade, possíveis conflitos pré-existentes e o impacto na vida, do diagnóstico e do tratamento.  

Como funciona o atendimento psicológico nesses casos? 
Existem diversas possibilidades de acompanhamento. O espaço de escuta está disponível em dias e horários pré-agendados. Individualmente ou com o casal.